domingo, 25 de maio de 2014

Um novo comportamento

A determinação nunca foi o meu ponto forte. Como boa geminiana, sempre fui das mais dispersas, daquelas que começam diversas coisas, mas nunca terminam. Livros lidos pela metade, nossa, perdi as contas. Cursos, então, foram vários: canto, teatro, fotografia, umas duas pós, e... regimes. Da parte do início empolgado ao final desinteressado, são dias e dias que me fazem saber um pouco de tudo, mas não fechar ciclo nenhum.
Fiquei pensando sobre isso quando fui ontem na minha mãe. Fiz um ano de casada no último dia 8 de maio, e já são dois anos morando fora da casa dos meus pais. No entanto, ainda tem tanta coisa minha lá que às vezes parece que a situação de casada é somente uma coisa temporária.
E não é.
Foi uma escolha. E muito bem escolhida, por sinal.
(nesse momento, marido revira os olhos e suspira - é, eu que sei...)
*
Pausa para um tapa no marido pela gracinha, que morre de rir e pergunta "Que foi que eu fiz???"
*
Resolvi que deveria mudar essa situação, pois ela reflete tudo aquilo que eu penso no momento: eu preciso quebrar esse ciclo de coisas inacabadas, preciso começar a fazer com que as coisas respeitem uma ordem natural de começo-meio-fim.
Não, não vou me rematricular em todos os cursos e ler todos os livros... Acontece que algumas vezes essas coisas já não são mais importantes pra gente, ou já não tem mais nada a ver com a nossa personalidade ou realidade de hoje. Mas nós continuamos carregando esse peso, esse carma, e deixando pra depois o momento de finalmente dar um ponto conclusivo nessa história.
Isso acontece com as coisas que a gente guarda e nunca se livra, que só entulham nossas prateleiras e armários. São cartas, livros, roupas, papéis de presentes, agendas e quinquilharias que ocupam o espaço das coisas novas e que realmente importam no momento presente da  vida. Não digo que as lembranças são desnecessárias ou banais, mas pense: quanta coisa inútil a gente guarda por medo de se desprender? Quantas situações deixamos em aberto por puro egoísmo, medo, ou por não sabermos como resolver no momento, mas que continuam a nos incomodar por anos a fio? 
*
Já não há mais motivos para deixar de praticar o desapego. Passar pra frente aquilo que não serve mais, além de uma atitude corajosa, me faz pensar que eu estou fechando alguns capítulos em aberto. Sei que antes eu não era capaz, seja por imaturidade ou medo, mas hoje, frente a tudo aquilo pelo que já passei e aprendi, depois de ter vivido essas escolhas e processos de rompimento, dolorosos e cicatrizados, não há mais motivos para deixar acumular qualquer coisa que não seja experiência e felicidade. 
Não que eu vá abrir mão de tudo, mas apenas daquilo que não importa mais, já passou, pronto e acabado.
*
Abri a porta do armário e retirei tudo aquilo que me pertencia - se bem que o irmão mais novo já tinha se dado ao trabalho de amontoar tudo em um espaço mínimo, afinal, ele queria um lugar a mais para guardar suas coisas... Peguei as roupas, bolsas e quinquilharias. Separei o que eu ia dar, o que ia jogar fora e o que levaria para casa. Voltei com um saquinho de mercado contendo 5 peças de roupas que ainda me agradavam. Ainda não consegui me livrar de tudo - ainda mais com uma mãe como a minha, acumuladora por natureza, dando assistência no processo - no entanto, me orgulho de ter dado um passo importante. 

Afinal, emagrecer também é um processo de desprendimento. 

7 comentários:

  1. Ótimo texto, meu amor... Só faltou a citação de com quem você aprendeu o conceito de "desapego"...

    ResponderExcluir
  2. Eu sou a mais determinada do mundo, disciplinada, uma chata. Mas ainda acumulo coisas e é algo que me incomoda muito. Criei um sisteminha (metódica...) pra me desapegar de roupas e vem funcionando. Hora de fazer o mesmo para quinquilharias, né?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Passa a dica, qual é a desse sistema?

      Excluir
  3. Bom te ver de volta à ativa querida! Também tenho um milhão de coisas semi-feitas e acumulo mais no dia a dia. Mas tenho enfim conseguido fechar alguns ciclos. Acho que é assim mesmo, devagar. Um passo de cada vez.

    Beijão!

    ResponderExcluir
  4. a minha situação é bem similar a sua, já deixei diversas atividades inacabadas e alguns projetos sequer foram iniciados. Não é fácil!!!!

    ResponderExcluir

Comente, mas por favor, mantenha a compostura.